Mulheres: a polêmica sobre o uso do salto alto

A polêmica do salto alto não é de hoje, desde muito tempo surge, esporadicamente, alguma questão sobre o uso do salto em determinados locais. A questão foi revivida no começo do ano com a discussão no Reino Unido sobre a obrigatoriedade do uso do calçado em locais de trabalho e tem dado o que falar.

Atualmente com a crescente do movimento feminista, vemos ondas de mulheres que exigem que certos padrões antiquados caiam em desuso. E, nessa leva, o salto alto tem entrado em muitas discussões. Mas antes de falarmos as considerações sobre a polêmica do salto, vamos lembrar dos casos que marcaram esse assunto.

A polêmica do salto alto e seus causos

Dois casos memoráveis ficaram marcados quando o assunto é usar ou não o salto alto. No ano de 2015, a organização da premiação de Cannes (evento do audiovisual mundial) “barrou” mulheres no tapete vermelho por não estarem de salto alto. O caso rondou a premiação pelo resto do evento e gerou grandes manchetes em diversos jornais.

Ainda sobre essa discussão, algumas pessoas afirmaram que não existe nada no convite indicando que o uso do salto é obrigatório mas que seriam como algumas “regras de boa convivência”. É claro que isso não passou batido e teve até protesto por parte de algumas atrizes. Como Julia Roberts, Kristen Stewart e Sasha Lane que fizeram questão de entrar no tapete vermelho descalças.

Polêmica do salto alto: atrizes entram descalças no tapete vermelho.

Outra polêmica do salto alto que percorreu muitas notícias no mundo foi no ano passado. Quando uma recepcionista britânica foi impedida de trabalhar por não estar de salto alto. O caso fez voltar à tona as discussões sobre o código sexista adotado por algumas empresas. Que exigem que suas funcionárias utilizem salto alto, maquiagem e roupas que valorizem o corpo.

Nicola Thorp conta que tinha que trabalhar durante nove horas seguidas em pé levando os clientes da sala de recepção para as reuniões. E tudo isso tinha que ser feito de salto alto. Foi quando ela resolveu “bater o pé” e questionar qual era o envolvimento de seu calçado com a eficiência do seu trabalho.

A polêmica do salto atualmente

A polêmica do salto alto nos escritórios.

No incício de 2017 a questão voltou a ser discutida no Reino Unido. Tudo por conta de uma investigação que concluiu que empresas realmente adotam esse código sexista de bons modos no trabalho. Mas como a onda dos movimentos feministas está no seu auge, esse tipo de medida não irá mais passar impune.

Se a mulher quer usar o salto e se sente a vontade com isso, sem problemas. O mesmo com maquiagens e roupas quaisquer. A grande questão é permitir que a mulher, assim como o homem, possa ser avaliada segundo suas características profissionais. E não mais pela roupa que ela usa.